Pesquisa personalizada

1 de março de 2008

Cadeia alimentar

NOJENTOS, MAS NECESSÁRIOS

Como seria o mundo se ratos, baratas, moscas e mosquitos fossem exterminados? Bem melhor! Essa certamente seria a resposta de da maioria das pessoas. Porém, na vida real, o sumiço desses bichos poderiam causar conseqüências desastrosas para a humanidade. Baratas, ratos, moscas, e mosquitos são fundamentais para o equilíbrio ecológico.
O lado bom é que sem o zunido e as picadas dos mosquitos as noites de sono seriam bem mais agradáveis. Além disso, doenças como dengue, transmitida pelo mosquito Aeds aegypti, desapareceriam. A ausência de ratos, barata e moscas também trariam mais segurança alimentar para o homem, já que esses bichos freqüentam tanto ambientes contaminados, quanto as cozinhas, transportando bactérias causadoras de enfermidades. Além disso, os insetos são os grandes competidores do homem quando o assunto é comida. Desde a colheita dos alimentos até eles chegarem aos consumidores, muito se perde com as pragas, Sem elas, a produção de alimentos seria mais eficiente.
Porém esse paraíso imaginário seria seriamente ameaçado pelo desequilíbrio ambiental. Baratas, moscas, mosquitos e ratos são elos fundamentais da cadeia alimentar da qual o homem também faz parte. Ratos, mosquitos e baratas desempenham a importante tarefa de reciclar material orgânico. Alimentando-se de restos de comida e até de outros bichos mortos, eles ajudam na decomposição desse material. Sem eles, muito lixo orgânico se acumularia nas ruas e até os cadáveres demorariam muito tempo para se decompor.
Ratos também entram em tubulações que nem os homens, nem máquinas têm acesso, de tão pequeninas e escondidas. Com isso, acabam ajudando no escoamento dos esgotos. Se fossem exterminados, os canos entupiriam e os detritos voltariam para a rua ou para o ralo das casas.
Larvas de pernilongos alimentam-se de partículas orgânicas que ficam que ficam suspensas em rios e lagos. Na ausência delas, a água poderia apodrecer mais rapidamente. Além disso, peixes que se alimentam dessas larvas, como carás e tetras, desapareceriam.
Sem baratas e ratos, outros animais tornar-se-iam pragas, como morcegos, pombos, gambás, que também adoram migalhas e restos e restos de comida e transmitem doenças como a raiva. O que parece melhor, dar uma chinelada numa barata invasora ou passar a noite tentando capturar um morcego.
Correio Riograndense

A BARATA E O RATO
MORAL: Para o vírus a penicilina é uma doença.
SUBMORAL: A ecologia é muito relativa.
Era uma dessas baratinhas brancas e nojentas, acostumadas à só imundície e ao monturo, comendo calmamente sua refeição composta de um pedaço de batata podre e um pedaço de tomate podre (causando inveja a muita gente). Chegou junto a um Rato transmissor de peste bubônica e lhe disse: “Comadre, ontem eu tive uma aventura extraordinária. Estive num lugar realmente impressionante, como você, comadre, certo jamais encontrará em toda sua vida”. Barata comendo. “O lugar era uma coisa que realmente me deixou de boca aberta” ­ prosseguiu o Rato “tão espantoso e tão diferente é de tudo que tenho visto em minha vida roedora”. (É sua sina roer.) Barata comendo. “Imagina você prosseguiu o Rato “que descobri o lugar por acaso. Vou indo numa das cavidades subterrâneas por onde passeio sempre, entrando aqui e ali numa casa e noutra, quando, de repente, percebo uma galeria que não conheço. Meto-me nela, um pouco amedrontado por não saber onde vai dar e de repente saio numa cozinha inacreditável. O chão, limpo, que nem um espelho! Os espelhos, de um brilho de cegar! As panelas, polidas como você não pode imaginar! O fogão, que nem um brinco! As paredes, sem uma mancha! O teto, claro e branco como se tivesse sido acabado de pintar! Os armários, tão arrumados e cuidados que estavam até perfumados! Poeira em nenhuma parte, umidade inexistente, no chão nem um palito de fósforo...
E foi aí que a Barata não se conteve. Levou a mão à boca num espasmo e protestou: “Que mania! Que horror! Sempre vem contar essas histórias exatamente no momento em que a gente está comendo!”
Millôr Fernandes
Vozes dos animais e barulho das coisas



VÁRIAS SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA O PROFESSOR ESCOLHER:
Leitura dos textos.
Pesquise no dicionário de acordo com o significado do texto: bactéria, espasmo, peste...
É importante cuidar da higiene de nossa casa. Por quê?
O que é lixo orgânico?
Você considera a reciclagem uma necessidade? Por quê?
Explique a moral do texto: “Para o vírus a penicilina é uma doença”.
Passe o texto “A Barata e o Rato” para o discurso direto.
Descreva um local limpo e de um local sujo.
Trabalho em grupo: Pesquise sobre dengue, peste bubônica, leptospirose e sobre o Aedes aegypti. (sortear o assunto)
Apresente a pesquisa para os colegas de sala.
Crie personagens: mosquito, barata, rato mosca com materiais recicláveis.
Crie máscaras de mosquito, barata e rato, mosca...
Escrever um teatro para as personagens criadas aplicando os conhecimentos do texto 1 e as vozes dos animais.
Represente o teatro com as personagens feitas de materiais recicláveis
Crie máscaras de mosquito, barata e rato.
Escreva a uma música, aplicando o texto 1 ou 2, e cantar usando as máscaras feitas
Desenhe uma cadeia alimentar
Fotografe animais nocivos, pesquise sobre eles.
Exposição das fotos e da pesquisa

3 comentários:

  1. Nojetos ou não... tudo o que existe tem uma razão de ser, não é?

    Beijos e um lindo domingo

    ResponderExcluir

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)