Dedico este blog aos poetas, sonhadores, sábios pesquisadores, idealistas, aos que apreciam a arte e a todos que descobiram a inteligência como Dom de Deus e que usam seus talentos e dons para realizar causas nobres em benefício da humanidade.
Pesquisa personalizada

24 de setembro de 2008

Violência nas Escolas

Pode-se afirmar que a violência nas escolas tem afetado o cotidiano de alunos, professores e funcionários, de diferentes formas e práticas. Ela é manifestada em brigas, discriminações, indisciplinas, desrespeitos, humilhações, vandalismos, agressões físicas e verbais...

Há uma ausência de clareza nos papéis da direção e equipe pedagógica. Entre estes, é visível um empurra-empurra de funções e atitudes. Na Escola, o único que tem um papel claramente definido é o professor. Na sua ausência, por qualquer motivo, pelo menor tempo, todos sentem sua falta, e, se o professor não fizer seu trabalho eficientemente, certamente o resultado será notório.

A violência escolar é notada diariamente no comportamento do educando, na sua insatisfação pelo que a escola lhe oferece: professores esgotados, escola mal equipada, objetos ultrapassados e quebrados, ambiente inadequado, o menor movimento do aluno numa carteira provoca um barulho muito alto. Os alunos ficam irritados uns com outros estressados com o aperto, com o barulho externo e interno, com o calor e outros fatores não descritos

O ambiente escolar é insensível com as necessidades do educando e dos profissionais que ali trabalham. Quando o local e as condições de trabalho não valorizam nem estimulam educando e profissionais da educação, torna-se desumano.

O que se percebe é que a progressão da violência escolar esbarra em leis que impedem a ação dos professores, direção e equipe pedagógica, deixando-os em situações de conflito e humilhantes, dificultando a solução dos problemas.

A escola deixou de mandar, porque as leis que protegem o menor não são claras a ponto de esclarecer sobre seus deveres. No ambiente escolar está acontecendo uma enorme e desastrosa inversão de valores. Isso gerou uma certa rebeldia. “Ninguém obedece aquele que acha que menos.¹”. Atualmente é o aluno quem dita as regras. O professor, para impor sua autoridade precisa vencer o aluno no grito, porque não tem nenhuma forma de exercer seu papel de educar, a não ser depois de saturado de sofrer humilhações. E aí tem que relatar o problema para o Diretor ou para o Pedagogo a fim de o problema seja encaminhado para que haja uma solução, que pode levar muitos dias para acontecer. Se isso se acontecer com freqüência, o professor corre o risco de ser julgado como "sem domínio" ou como "incompetente".

Não se trata de saudosismo, mas se observa que a autoridade do diretor e dos professores foi relegada. O aluno acostumou-se a uma rotina de indisciplina e violência por que tem consciência disso. Apenas quando essas situações de conflito e esgotantes ficam insustentáveis, é que se buscam meios de resolvê-las fora da escola. Os problemas que estão dentro da escola, são levados para fora dela, afim de que seja solucionados por alguém que está alheio, que não vivenciou os acontecimentos.

A escola é semelhante a um cristal que depois de quebrado, nem a melhor das colas consegue esconder sua ruptura. Quando o aluno se vê sendo encaminhado para uma autoridade fora da escola só pode pensar que as pessoas que ali estão desempenhando o papel de educar são incapazes de fazê-lo. Quem fica com as marcas é o aluno. Enquanto esse problema não se resolve, a escola fica com a obrigação de procurar uma solução.

Grupo de Estudos - Paulistania


¹Cícero Batista de Souza


6 comentários:

disse...

Olá minha querida!

Textos lindos e com informações precisas.
Estive meio doentinha nos últimos tempos, e ainda não estou muito boa.
Mas vou colocando a leitua em dia um pouco a cada dia.
Recebi um email da Sheilinha, está voltando para Portugal, ficou alguns dias de férias em casa de seus pais aqui no Brasil.
Quero agradecer sua visita venha sempre que puder é muito bom receber pessoa tão maravilhosa como você.
Que Deus te abençoe junto aos seus!

disse...

Olá minha querida!

Tem um mimo pra você lá em casa!

Beijos Rô!

NO A LA DISCRIMINACION disse...

Excelente. Los jóvenes cada vez se discriminan más entre ellos llegando a la violencia.
Será necesario la concientización de este nuevo flagelo.

un saludo desde Argentina

gleidiane disse...

poxa achei muito importante sua visão sobre esse conteudo a educação realmente precisa de um ponto final en relação a violencia nas escolas;
gleidiane araujo dos santos

gleidiane disse...

gostei de seu ponto de vista isso e fundamental devemos realmente colocar um ponto final nessa realidade violencia nas sala de aula e gerada por varios motivos entre eles pouca participação dos pais na vida escolar dos educando isso facilita com que eles se envolva em drogas e atos de vandalismo ;;;

thammy lopez disse...

amei o blog