TRANSLATE

Busque arquivos antigos

21 de abril de 2016

Maquete


Maquete inspirada no meio ambiente


            Desde os tempos mais antigos o homem sente necessidade de visualizar suas idéias. As maquete e protótipos fazem parte desta história e são utilizados até hoje com o mesmo objetivo. As maquete nos ajudam a entender os projetos de forma global em tamanho muito menor que o natural, permitindo testá-lo de forma prática e econômica. Os protótipos são a primeira produção de uma série, em tamanho natural.
            O termo maquete tem origem francesa, foi criado por escultores para a fabricação de peças de gesso. Maquete é uma ferramenta usada para se compreender  e antever algo que se pretende fazer. É essencial na Engenharia e na Arquitetura, pois facilita a divulgação do que se planeja fazer, possibilita uma avaliação do cliente, auxilia na correção de erros, na reformulação daquilo que não está satisfazendo, evita preocupações, valoriza o produto, conquista o cliente.  Tem o formato tridimensional, pode ser concreta, ocupando o espaço físico ou virtual. Tem por característica a sensibilidade de ser influenciada  pelo modo de produção, pelos avanços tecnológicos e o histórico das relações sociais.
            O protótipo  geralmente é feito com o mesmo material que se pretende trabalhar, e  tem por objetivo mostrar o produto como ele será produzido em série para ser comercializado.  É a apresentação de um produto que provavelmente será produzido. Quando se fabrica um protótipo, busca-se a fidelidade ao produto final. Ele passa por testes físicos de aceitação do público, de riscos de produção, de falhas de acidentes, de resolução de problemas, de fabricação de montagem e de mercado. Com ele se pretende compreender como será o produto, para a eliminação de erros,   imperfeições e  possíveis problemas, bem como encontrar soluções mais práticas.

            Maquete e protótipo tem sido utilizados há séculos, são indispensáveis ao processo criativo do ser humano. Pouco se sabe sobre eles, ainda são temas de estudos e análises históricas. O que se tem como certo é que muitos povos deixaram vestígios da elaboração de maquetes.  Temos por exemplos: Os vikings que faziam modelos de seus navios; os egípcios que confeccionavam imitações detalhadas de objetos e utensílios em argila, papiro e cera. Suas habilidades artísticas eram colocados sobre as tumbas dos faraós  Os chineses produziram pequenas urnas em forma de casas, os semitas produziam câmaras mortuárias de pedra e em forma de habitação. Na Roma antiga existiam maquetes  provavelmente como oferenda a alguém importante,  como deuses e imperadores tidos como divinos ou usadas para a confecção de máquinas de guerra ou para calcular o fluxo e a vazão dos aquedutos. Na Grécia antiga as maquetes mostravam a capacidade artística do artesão. Os fenícios fabricaram navios, os habitantes das Ilhas Fiji faziam suas casas de arroz, os maias e os incas também as fabricaram e os índios brasileiros as utilizaram para ensinar os meninos sobre arcos e flechas.
            Acredita-se que na Idade Média as maquetes foram muito usadas na Itália e eram feitas geralmente de madeira e na França geralmente  de cera. Durante o Renascimento Italiano as maquetes adquiriram uma dimensão nunca vista, quando a volta da cultura grega exigiu técnicas para a representação tridimensional, muitas delas utilizadas até hoje. A partir do século XIV a arquitetura passou a ser considerada uma arte e o arquiteto passou a ser visto como um profissional de destaque, projetando templos e casas,

            Atualmente, com toda dificuldade financeira enfrentada pelos governos, era de se esperar que o uso de maquetes e protótipos fossem deixados de lado, como uma forma de corte econômico, mas não, isso não acontece, porque o uso de maquetes é essencial para o desenvolvimento e comunicação de idéias. Um modelo ou um protótipo podem ajudar na divulgação de produtos e marcas. Eles são essenciais para a vida moderna.





Esta Maquete, em duas unidades foi feita pensando sobre na Globalização como um processo de integração das economias do Mundo através da movimentação do capital pelo comércio e da troca de informação e tecnologia. O material utilizado foi papel cartão de cores diversificadas e palitos de sorvete, tesoura, cola, régua, compasso, lápis preto.





15 de abril de 2016

Técnica da aquarela




Materiais necessários:

- um jogo de aquarela em pastilhas ou líquida;
- um modelo
- pincéis redondos e macios,
- papel de alta gramatura
- godê (pode ser forminha de gelo)
- água
- panos para limpar o pincel. 

Pinte com a tinta diluída na água.