TRANSLATE

Busque arquivos antigos

29 de outubro de 2007

Dia de Finados




Quando chega o mês de novembro não há quem fique alheio a uma data marcante: “Dia de Finados”. A maioria das pessoas, de muitas religiões, de uma forma ou outra, fazem orações e visitam os túmulos de seus entes queridos, acreditando que seus corpos morreram, mas estão vivos em outra dimensão.
Nesta datas, ficamos mais sensíveis, porque recordamos as pessoas que muito amamos, mas que não estão mais ao nosso lado. São pessoas que partiram há muitos anos, outras recentemente. O fato de visitar os cemitérios confirma a certeza de que um dia, apesar de não desejarmos, iremos também desvendar esse grande mistério que é a morte.
Às vezes a morte vem de surpresa, outras vezes precedida por longa enfermidade. Não poupa ninguém: pobres e ricos, jovens e velhos, de todos os lugares, de todos os tempos. É para todas as criaturas. Quando chega, todos somos abalados emocionalmente, inclusive os animais. É o que podemos ver no texto abaixo, que recebi do leitor deste Blog “Eduardo Sales”.: Um pássaro demonstra seu sentimento de impotência, de tristeza e de dor diante da morte.


A Morte - A Dor de uma perda

Aconteceu numa praça, no Japão. Não se sabe como o pássaro morreu. Ele estava ali no asfalto, inerte, sem vida. Seria um fato corriqueiro, mas o fotógrafo fez a grande diferença.
A Solidariedade
Segundo o relato do fotógrafo, uma outra ave permanecia próxima àquele corpo sem vida e ficara ali durante horas. Chamando pelo companheiro, ela pulava de galho em galho, sem temer os que se aproximavam, inclusive sem temer ao fotógrafo que se colocava bem próximo.
A Solicitação
Ela cantou num tom triste. Ela voou até o corpinho inerte, posou como querendo levantá-lo e alçou vôo até um jardim próximo. O fotógrafo entendeu o que ela pedia e, assim, foi até o meio da rua, retirou a ave morta e a colocou no canteiro indicado. Só então a ave solidária levantou vôo e, atrás dela, todo o bando.
A Despedida
As fotos traduzem a seqüência dos fatos e a beleza de sentimentos no reino animal.Uma Questão de Amor e Carinho.
Segundo o relato de testemunhas, dezenas de aves, antes de partirem, sobrevoaram o corpinho do companheiro morto. As fotos mostram quanta verdade existiu naquele momento de dor e respeito.
Um grito de dor e lamento
Aquela ave que fez toda a cerimônia de despedida, quando o bando já ia alto, inesperadamente voltou ao corpo inerte no chão e, num grito de não aceitação da morte, tenta novamente chamar o companheiro à vida. Desesperada, mas com amor e carinho, ela se despede do companheiro, revelando o seu sentimento de dor.
Colaboração: Eduardo Sales

6 comentários:

  1. A única certeza da vida é a morte. Contudo, há pessoas que nunca se acostumarão com a ausência de um ente querido e vivem tristes em função de lembranças. Conheço pessoas assim. É muita bonita a sequência de fotos dos pássaros. Se até os animais sentem a morte, imagine os seres humanos. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu recebi a história do passarinho por e-maile também pensei e colocar no meu blog... achei tão triste e tão bonita... é muita sensibilidade...

    Esta é sem dúvidas a única certeza que temos, pois um dia morreremos. Embora, a morte pra mim, seja um novo ciclo da vida.

    Sei que amanhã você estará talvez mais saudosa, por isso, deixo aqui o meu sentimento de carinho e afeto por ti.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Lindo!!!
    Temos que aprender com os animais a ter mais humanidade.
    Beijokas,
    Fernanda

    ResponderExcluir
  4. amei este fato, como é lindo saber que ate os animais se amam e sofre por amor.Diante da morte todos nós nos calamos e refletimos nossa vida.

    ResponderExcluir
  5. è triste porem lindo

    ResponderExcluir

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)