TRANSLATE

Busque arquivos antigos

18 de setembro de 2010

Ai! Se sêsse!



Se um dia nós se gostasse;
Se um dia nós se queresse;
Se nós dois se impariásse,
Se juntinho nós dois vivesse!
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse;
Se juntinho nós dois morresse!
Se pro céu nós assubisse?
Mas porém, se acontecesse
qui São Pêdo não abrisse
as portas do céu e fosse,
te dizê quarqué toulíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum insistisse,
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca puxasse,
e o buxo do céu furasse?…
Tarvez qui nós dois ficasse
tarvez qui nós dois caísse
e o céu furado arriasse
e as virge tôdas fugisse!!! 

Autor: Zé da Luz  



6 comentários:

  1. Não conhecia este cordel que você publicou.
    Aqui no Sul é bem difícil conseguir boas publicações de cordel.
    Abraços e parabéns pelo trabalho.
    Cris

    ResponderExcluir
  2. Que poema tão brasileiro!
    Beijinho, adorei

    ResponderExcluir
  3. Este texto é ótimo. Na faculdade, eu já o utilizei em um trabalho de linguística.
    É legal, também, utilizar o audio,interpretado pelo Grupo Cordel Fogo Encantado.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pela colaboração. Já postei o video.

    ResponderExcluir
  5. Ameiii ja ouvi declamando esse cordel no forró, mas nunca tinha lido ele.. obrigada pela divulgação!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Gostei muito do seu blog, até me tornei seguidora.
    Gostaria que visitasse também o meu: http://lucileneolson.blogspot.com e deixasse algumas dicas.
    Espero q. um dia meu blog esteja próximo do seu.
    Abraços,
    Lucilene

    ResponderExcluir

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)