TRANSLATE

Busque arquivos antigos

17 de setembro de 2007

Nossa casa

Certa vez ouvi uma comparação de nossa casa com nossa mente.

Numa explicação leiga, em nossa mente, o inconsciente é a parte onde raramente temos acesso, mas é vital; o subconsciente é uma parte que temos pouco acesso e o consciente é onde vivemos.

Em nossa casa fazemos a mesma divisão com os objetos que guardamos. Há aquele que ficam armazenados e que raramente usamos, de vez em quando nos lembramos que existem, não conseguimos nos desfazer deles, eles permanecem guardados, escondidos, não dependemos deles no dia a dia: são as lembranças, fotos antigas, objetos herdados, roupas e brinquedos da infância, representam o inconsciente. Também estão armazenados os objetos de utilidade, porém não são usados com freqüência, por exemplo: uma roupa de festa, uma mala de viagem, um livro, um aparelho de jantar, uma bandeja de prata..., são semelhantes ao subconsciente e por fim, os objetos de uso constante, que estão a nossa disposição para qualquer hora, como cama, sofá, televisão, geladeira, arranjos, revistas, tapetes..., o nosso consciente.

Por causa desta comparação é que decidi escrever este texto. Os objetos que são comparados ao nosso inconsciente, aparentemente sem muita utilidade, são os mais valiosos. Existe uma razão para eles estarem ali, escondidos, jogá-los seria uma grande dor. Eles nos recordam momentos de plena alegria vividos com pessoas que passaram em nossa vida. Elas deixaram um vazio, e este vazio é preenchido com algo que as recorde. Não importa se os objetos estão velhos, quebrados, amassados, rasgados, fora de moda... Têm um valor incalculável, são únicos. Uma perda seria algo irreparável. Alguém pode até considerá-los lixo, mas para o possuidor são verdadeiros tesouros.


Tudo isso me faz recordar objetos que guardo com carinho. Raramente são vistos, estão dentro de envelopes, de pequenas caixas. Dentre eles, um em especial que não sei como resistiu até hoje, é da época em que eu estudava a segunda série do curso primário. Está bem conservado. Eu o recebi de uma colega de sala. Nunca mais a vi. Não sei onde mora, se ainda vive, se está casada, se mora numa capital, ou quem sabe, mora em alguma cidade do interior como eu. Recordo-me de poucos colegas daquela época e tenho certeza de que não me esqueci desta amiga porque um dia me entregou uma lembrança com seu nome e um pedido. Seus cabelos eram longos lisos e usava tranças. Estudava na Água da Areia, Município de Munhoz de Melo, PR. Chamava-se Natalina Cândida da Silva. Creio que ela não saiba quem sou. No blog uso nome de casada.

Amiga, que bom que guardei esta lembrança. Nada sei da sua vida, mas não me esqueci de você conforme me pediu. Abraços e beijos e até um dia...

Ah, estava me esquecendo de dizer, se nossa casa pode ser comparada a nossa mente, é bom que ela não fique desorganizada, principalmente a minha, pode ser que alguém que leu este texto venha me visitar, e aí como me justificar?

Terezinha Bordignon

4 comentários:

  1. bom blog

    visite o meu

    http://wata-eh-legal.blogspot.com/

    obrigado

    ResponderExcluir
  2. olá, vou linkar seu blog lá no meu tb... acabei de olhar, vieram 16 visitas do seu site pro meu! vai ser uma bom troca né?

    http://wata-eh-legal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Terezinha Muito legal este texto. Vou reflectir sobre isto...

    Beijos e uma Feliz Semana

    ResponderExcluir
  4. Professora Terezinha,embora sem enviar mensagens continuo acompanhando seu blog e ele continua bom.Boa semana.
    Professor Sergio

    ResponderExcluir

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)