TRANSLATE

Busque arquivos antigos

7 de dezembro de 2007

O homem do chapéu de palha



Quando algo engraçado ou triste nos acontece, o fato jamais cai no esquecimento. De vez em quando nos recordamos e nesse momento, ou rimos ou choramos.

Naquela noite chegamos do Colégio no horário de sempre. Nossas duas filhas ainda não tinham chegado da faculdade e do cursinho pré-vestibular. Cada um de nós foi fazendo o que mais necessitava: Meu esposo foi direto para a cozinha, matar a sede com água bem gelada; eu para o quarto, na busca das confortáveis sandálias havaianas.

Acontece que elas sempre ficavam num cantinho, escondidas, para não poluir o visual. Para alcançá-las, eu precisava passar em frente à janela do quarto. Neste dia eu tive uma surpresa: bem no meio do meu caminho, pisei sobre um chapéu. Olhei, era um chapéu de palha masculino.

Um arrepio percorreu minha espinha e meu coração disparou. Eu já havia sentido tal sensação há alguns anos, quando, chegando da igreja à noite, encontrei minha casa revirada por ladrões. Numa fração de segundos, uma revolução de pensamentos: “Fui furtada de novo! Será que o homem ainda está dentro de casa? Onde está escondido? Está armado? Está só ou acompanhado?...” . Corri até a cozinha, ainda ofegante, apavorada, relatei o fato a meu esposo: “Alguém entrou aqui em casa porque tem um chapéu caído lá no quarto!”. Sem demonstrar medo algum, ele foi até o quarto, calmamente analisou o chapéu e afirmou: “Este chapéu é meu!”

Fiquei indignada, como o chapéu, que só era usado para trabalhar na horta, fora parar ali no quarto, se meu esposo também estava no colégio? Afinal, após algumas hipóteses, consegui me acalmar.

No dia seguinte, fui tirar satisfação com minhas filhas. Elas não sabiam de nada.

Tudo ficou claro quando a senhora que fazia os trabalhos domésticos explicou: No dia anterior, ela havia lavado o piso das calçadas. Para se proteger dos raios solares, usou o chapéu de meu esposo. Quando chegou na parte da calçada onde ficava a janela de meu quarto, havia sombra. Ela colocou o chapéu no parapeito. Talvez um vento o tivesse derrubado, e como resultado, surgiu a confusão. Claro que foram dadas muitas gargalhadas.

É incrível como nossa mente associa um fato a outro: o furto, que estava aparentemente esquecido, e o chapéu, que estava no lugar errado na hora errada, fizeram com que eu não reconhecesse um chapéu que me era familiar, e reagisse como se estivesse sendo vítima de assalto.

Aqui em casa, de vez em quando, ainda nos recordamos do homem do chapéu de palha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)