TRANSLATE

Busque arquivos antigos

16 de dezembro de 2007

Boneca de papelão


Hoje me dei conta de uma coisa: Não me recordo de algum dia ter acreditado em Papai Noel. Não sou tããããão antiga assim, mas no meu tempo de criança não havia televisão, apenas o rádio, que não tinha esse forte apelo comercial sobre as qualidades do “Bom Velhinho”.

Vivi minha infância num sítio. Tínhamos um Natal muito simples, nada de festas e reuniões, mas era muito esperado, porque era dia de beber “guaraná” à vontade, comer azeitonas e castanhas portuguesas. O sabor era uma delícia, diferente de hoje! O restante dos doces e comilanças eram feitos em casa, por minha mãe. Uma macarronada temperada com frango caipira e massa de tomate, um leitão assado no forno a lenha. E que doces cristalizados, pudins, bolos?! Nesse dia também ganhávamos bala. Era tempo de uva madura, mangas, melancias. Eu também gostava visitar os vizinhos neste dia. Todo mundo procurava oferecer alguma coisa diferente.

Não me lembro de minha mãe dizer que Papai Noel ia me trazer algum presente. O que me recordo é de ver minha mãe bordando na máquina de costura um tecido branco. Eu perguntei por que era aquilo e ela me deu uma explicação qualquer. O pior foi que eu acreditei.. Era a véspera do Natal. Um presépio foi montado num canto da sala. No dia seguinte, eis que vejo no presépio uns brinquedos de meninos para meus irmãos e uma boneca de papelão para mim. Seu vestido bordado tinha desenhos iguais aos que eu tinha visto minha mãe fazer.

Eu não tinha nenhuma boneca comprada. Apenas uma, muito velha, feita por minha mãe, com cabelos de pêlos de ovelha tingidos, tirados do arreio de uma mula. Minha mãe, apesar de não ter muito estudo, sempre foi uma artista, sabia improvisar muito bem. Fiquei feliz com meu presente, afinal, eu não esperava ganhar nada.

Hoje me recordo desse fato e sinto saudade. Como é importante comemorar o Natal em família. Sempre guardamos algo de bom, ano a ano. Claro que tenho algumas lembranças de fatos tristes que aconteceram neste dia, afinal apagar a memória não dá, mas o importante é relembrar coisas boas, como ganhar uma boneca de papelão. Apesar da simplicidade do presente, eu nunca o esqueci.


3 comentários:

  1. hahaha e nem desconfiou...
    Minha mãe tb é mto criativa. Fazia roupinhas de boneca e até uma peruca para uma velha boneca sem cabelo. Hj, direciona mais sua criatividade para seu blog, suas pinturas em tela e outros trabalhos artísticos que desenvolve.

    Fiquei alguns minutos brincando com a "lady" ao lado... é divertido!

    ResponderExcluir
  2. cidinha
    me lembro bem dessa boneca, havia um convento onde tinha atividades para meninas e pela frequencia ganhavamos um numero que podiamos trocar por brinquedo no natal e eu escolhia sempre essa boneca houve um natal que troquei por três delas

    ResponderExcluir
  3. ela existiu na epoca do meu avo ela e feita de papellaaao

    ResponderExcluir

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)