TRANSLATE

Busque arquivos antigos

4 de agosto de 2010

Agosto - mês do Folclore




OS TRÊS LADRÕES E A OVELHA

Três ladrões estavam descansando debaixo de uma árvore quando avistaram um homem que trazia uma marrã de ovelha nas costas. Pensaram em atacá-lo e tomar a ovelha, mas um deles teve uma idéia melhor e que foi aceita por todos. Saiu na estrada o primeiro ladrão e, saudando o homem da ovelha perguntou onde ele tinha comprado aquele cachorro tão bonito. O homem explicou que era uma ovelha e o ladrão esteve teimando que era um cachorro até que se despediu.

Mais para diante o segundo ladrão apareceu e gabou muito a beleza do cachorro, embora o homem dissesse que era uma ovelha, comprada na feira. Teimou e teimou e se despediu, deixando o dono da ovelha muito desconfiado. O terceiro ladrão fez o mesmo jogo, dando as belezas do cachorro e perguntando se o homem o queria vender. Discutiu mais tempo e foi-se embora.
O homem ficou olhando a ovelha e pareceu-lhe que era mesmo um cachorro. Jogou-a fora, zangando com a compra idiota que fizera.
Os três ladrões carregaram a ovelha e almoçaram muito bem neste dia.

Luís da Câmara Cascudo.

Fonte:http://www.jangadabrasil.com.br





TRÊS LADRÕES DE OVELHA
Mentira repetida vira verdade

Lá para as bandas do sertão da Paraíba, enfiados na caatinga, três cangaceiros descansavam, quando avistaram na estrada, ao longe, um homem que carregava uma ovelhinha nos ombros. Fazia dois dias que os três não comiam e, apesar de filhotinha, a ovelha daria uma bela refeição.

Mas os fora da lei também têm o seu orgulho e atacar um pobre diabo como aquele que ia pela estrada era até uma vergonha para três cangaceiros famosos e destemidos como eles. Foi quando o primeiro teve uma boa ideia, contou aos outros e eles resolveram pô-la em prática.

O primeiro cangaceiro foi até a estrada, disse bom-dia ao homem que lá vinha e perguntou:

– Onde é que vosmecê comprou esse cachorro tão bonito?

– Isso não é um cachorro, não. É uma ovelha, que eu comprei na feira – o homem explicou.

O cangaceiro teimou que era um cachorro, mas não disse mais nada e se despediu. Mais adiante, o segundo cangaceiro pareceu na estrada e foi logo elogiando o cachorrinho que o homem carregava nos ombros. Não adiantou o homem explicar que se tratava de uma ovelha, pois o cangaceiro continuou a insistir em chamá-la de cachorro.

Depois foi a vez do terceiro ladrão aparecer na estrada e fazer o mesmo jogo.

– Que cachorrinho bonito! Vosmecê não quer vender?

E os dois discutiram – é ovelha, é cachorro – até que o cangaceiro foi-se embora. A essa altura, o homem, muito aperreado, olhou devagarzinho a ovelha e acabou se convencendo de que ela era mesmo um cachorro. Largou-a ali mesmo na estrada e seguiu seu caminho, furioso consigo mesmo pela compra idiota que havia feito.

Os três cangaceiros, então, recolheram a ovelha na estrada e almoçaram muito bem naquele dia.


Luís da Câmara Cascudo.



Fonte: http://educacao.uol.com.br/


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A humanidade é um oceano. Se algumas gotas estão sujas, isso não significa que ele todo ficará sujo. (Mahatma Gandhi)